Imprimir

Projeto de Professores da FFCL vence Prêmio Empreendedorismo

No dia 8 de fevereiro, o “Supera-Educa” – projeto de ensino desenvolvido pelos professores da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ituverava, Eduardo Garbes Cicconi (coordenador do curso de Administração) e Saulo de Souza Rodrigues – recebeu o Prêmio Ozires Silva de Empreendedorismo Sustentável

Em sua 5ª edição, o Prêmio é uma Iniciativa do Instituto Superior de Administração e Economia – ISAE/FGV e do Grupo Paranaense de Comunicação – GRPCOM, que conta com o apoio da Anprotec (Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadoras).

O projeto “Supera-Educa” – que é promovido pela Fundação Instituto Pólo Avançado da Saúde e desenvolvido pela Supera Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Ribeirão Preto – recebeu a premiação na categoria Empreendedorismo Educacional, pelo trabalho realizado no ano passado, em conjunto com instituições de ensino Fundamental, Médio e Superior.

“A premiação é um reconhecimento muito importante, já que coroa um trabalho que vem sendo realizado com foco na promoção do empreendedorismo nos jovens de Ribeirão Preto”, o gerente de fomento da Fipase, professor Saulo de Souza Rodrigues.

Projeto
O projeto-piloto começou a ser viabilizado em 2010 e, em abril de 2011, iniciou suas atividades com 120 alunos, do nono ano do Ensino Fundamental e primeiro ano do Ensino Médio do Colégio Marista de Ribeirão Preto. De abril a setembro, os alunos foram estimulados a participar de encontros mediados por Fernando Henrique Botega com foco em temas como as inquietações dos próprios jovens em seu cotidiano.

Inspirado na Escola da Ponte, de Portugal, cuja metodologia é pautada no conceito “sem muros, sem professor”, os alunos participaram de encontros quinzenais e, divididos em grupos de até cinco pessoas, apresentaram seus planos de negócios em um concurso. A avaliação dos planos foi realizada pela própria Supera, considerando como ponto central a viabilidade do negócio e maior potencial de mercado.

Dos 25 trabalhos recebidos, 10 foram selecionados e indicados para a fase seguinte do projeto, que consistia em uma “sabatina” realizada pelo Colégio, onde foram selecionados quatro projetos, os que mais se destacaram, independentemente do setor para o qual o plano de negócios estava orientado.

“Para este ano, o projeto engloba a criação de uma mini-incubadora, ou, como vem sendo chamada, uma incubadora mirim, com espaço reservado para cada empresa. A aplicação do projeto em outros segmentos é viável. O projeto pode ser implantado ou adaptado a projetos sociais e de geração de renda”, complementou o professor Eduardo Cicconi.