Imprimir

RESULTADO - Seleção de vagas do PEIEX

banner edital peiex 2019 2


Edital para processo seletivo de extensão e pesquisa técnico-científica Nr. 01/2019

EDITAL COMPLETO

INSCRIÇÕES ENCERRADAS

LISTA DOS INSCRITOS

LISTA DOS INSCRITOS HABILITADOS

LISTA DOS HABILITADOS PARA FASE DE ENTREVISTAS

LISTA DOS CLASSIFICADOS

RESULTADO

CRONOGRAMA DE TREINAMENTO

Imprimir

Alunos da FFCL em visita à fábrica da Ypê

banner visita ype 27082019

Os alunos dos cursos de administração e ciências contábeis da FFCL visitaram no dia 27 de agosto a unidade fabril da Ypê em Amparo/SP.

Na visita técnica puderam conhecer de perto os processos produtivos da fábrica que produz produtos de higiene e limpeza, além de conhecerem a história dos seus fundadores e as ações ambientais promovidas pela empresa.

Os alunos e professores ainda trouxeram mudas de Ipê Branco que foram doadas pela empresa e que serão plantadas na cidade de Ituverava.

Os alunos foram acompanhados pelas Professoras Lilian Ribeiro e Lidiane Kanesiro e pelo funcionário Marcos Talarico Scapin.

f3646603 5bb0 4493 8401 7dd88cb9c14f

IMG 0528

IMG 0531

IMG 0546

IMG 0559

IMG 0547

IMG 0548

IMG 0554

IMG 0555

IMG 0558

IMG 0563

IMG 0560

IMG 0566

IMG 0549

IMG 0551

IMG 0557

 

Imprimir

FFCL de Ituverava participa do Projeto Rondon

banner rondon ago 2019

O Projeto Rondon, sob coordenação do Ministério da Defesa, é conduzido em estreita parceria com o Ministério da Educação, o Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário, o Ministério da Saúde, o Ministério do Meio Ambiente, o Ministério da Integração Nacional, o Ministério do Esporte e a Secretaria de Governo da Presidência da República. É uma ação interministerial do Governo Federal realizada em coordenação com os Governos Estadual e Municipal que, em parceria com as Instituições de Ensino Superior, reconhecidas pelo Ministério da Educação, visa a somar esforços com as lideranças comunitárias e com a população, a fim de contribuir com o desenvolvimento local sustentável e na construção e promoção da cidadania.

O Projeto Rondon prioriza, assim, desenvolver ações que tragam benefícios permanentes para as comunidades, principalmente as relacionadas com, a melhoria do bem estar social e a capacitação da gestão pública. Busca, ainda, consolidar no universitário brasileiro o sentido de responsabilidade social, coletiva, em prol da cidadania, do desenvolvimento e da defesa dos interesses nacionais, contribuindo na sua formação acadêmica e proporcionando-lhe o conhecimento da realidade brasileira.

67169900 2340006766036012 3883208888706662400 n

Imprimir

Alunos em visita à EXPOMAFE - 2019

banner expomafe

No dia 11 de Maio os alunos dos Cursos de Engenharia Mecânica, Produção e civil da FFCL e da FAJOB de São Joaquim da Barra participaram da 2º EXPOMAFE — Feira Internacional de Máquinas-Ferramenta e Automação Industrial, realizada de 7 a 11 de maio no São Paulo Expo, que se tornou um verdadeiro sucesso e se consolidou como o maior evento do setor na América Latina com a presença de 55.000 visitantes. Foram mais de 750 marcas expositoras nacionais e internacionais que apresentaram em um espaço com mais de 55.000 m² de exposição seus lançamentos e principais produtos. A EXPOMAFE é uma grande plataforma de negócios que proporciona novas oportunidades para expositores e visitantes. A próxima edição acontecerá em 2021, de 04 a 08 de maio, no São Paulo Expo.

O que os alunos puderam vivenciar na EXPOMAFE?

• Acessórios: Dispositivos e Componentes
• Controle de Qualidade: Integrado à Fabricação e Medição
• Automação Industrial, Robótica, e Integração de Células de Manufatura.
• Equipamentos Hidráulicos e Pneumáticos, Válvulas, Bombas e Compressores.
• Equipamentos para Movimentação e Armazenagem
• Ferramentas
• Manuais e de Corte
• Máquinas e Equipamentos Diversos e Acessórios para setor metalomecânico.
• Máquinas-ferramenta
• Soldagem e Corte
• Manufatura Aditiva, Prototipagem e Impressoras 3D.

IMG 20190511 WA0027

Imprimir

Veja as profissões mais procuradas na batalha do Brasil por produtividade

banner profissoes furuto

Para atender às necessidades das novas formas de produção, mais intensas em tecnologia, o Brasil terá de qualificar, até 2023, 10,5 milhões de trabalhadores em ocupações industriais nos níveis superior, técnico, qualificação profissional e aperfeiçoamento. É esse o desafio apontado pelo "Mapa do Trabalho Industrial 2019-2023", levantamento do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), divulgado nesta segunda-feira (12).

Nos próximos três anos e meio, de acordo com o estudo, a ocupação que apresentará a maior procura pelas empresas será a de condutor de processos robotizados. O número de vagas disponíveis para essa ocupação aumentará 22,4%, no período, enquanto o crescimento médio das ocupações industriais ficará em 8,5%.

O tipo de trabalhador mais procurado será o "transversal", aquele profissional que pode atuar em várias áreas diferentes, desempenhando funções em pesquisa e desenvolvimento, controle de produção e desenho industrial. Segundo o "Mapa" serão 1,7 milhão de vagas para essa atividade, seguida de perto pela metalmecânica (1,6 milhão), construção (1,3 milhão), logística e transporte (1,2 milhão), alimentos (754 mil), informática (528 mil), eletrônica (405 mil) e energia e telecomunicações (359 mil).

Veja a seguir a lista das profissões de nível superior que serão mais procuradas pela indústria até 2023:

Ocupações industriais de nível superior com maior demanda por formação

Ocupações

Profissionais a serem qualificados

Analistas de tecnologia da informação
305.172

Engenheiros civis e afins
57.399

Gerentes de produção e operações em empresa da indústria extrativa, de transformação e de serviços de utilidade pública
54.940

Engenheiros de produção, qualidade, segurança e afins
40.283

Gerentes de tecnologia da informação
29.912

Engenheiros eletricistas, eletrônicos e afins
29.237

Engenheiros mecânicos e afins
28.963

Artistas visuais,desenhistas industriais e conservadores-restauradores de bens culturais
25.141

Administradores de tecnologia da informação
23.905

Gerentes de manutenção e afins
18.182

Gerentes de suprimentos e afins
17.865

Gerentes de pesquisa e desenvolvimento e afins
15.021

Arquitetos e urbanistas
14.252

Pesquisadores de engenharia e tecnologia
13.968

Engenheiros químicos e afins
10.116

Gerentes de operações de serviços em empresa de transporte, de comunicação e de logística (armazenagem e distribuição)
9.440

Engenheiros em computação
8.061

Químicos
7.870

Qualificar esse grande contingente de trabalhadores será um desafio e tanto, até mesmo para o Senai, uma das maiores estruturas de ensino profissionalizante do mundo, capaz de absorver quase 2,5 milhões de novos alunos todos os anos. Mas o desafio não se limita ao esforço de qualificar esse exército de pessoas, suficiente para lotar mais de uma centena de estádios como o Maracanã.

Os problemas de adaptação da economia brasileira — e principalmente de sua indústria — aos padrões da empresa digitalizada e conectada 4.0, que já é uma realidade em bom pedaço do mundo, são múltiplos e complexos. Estão presentes dentro e fora das fábricas e escritórios.

Esses problemas se expressam na baixa produtividade da economia, retratada pela relação entre o volume do PIB (Produto Interno Bruto) e o número de horas trabalhadas para produzi-lo. Atualmente, a produtividade do trabalhador brasileiro equivale a 25% da produtividade do trabalhador americano e a 30% da obtida pelos trabalhadores alemães e coreanos.

Significa, em termos práticos, que o trabalhador brasileiro leva uma hora para fazer o que o americano faz em 15 minutos e o alemão ou o coreano produz em 20 minutos. Embora nem sempre tenha sido assim — entre 1950 e 1980, a produtividade do trabalhador brasileiro subiu de 27% para 45% da do americano —, nos últimos 35 anos houve um refluxo, e a distância retornou a 25%. Voltamos ao nível em que estávamos há 70 anos.

As deficiências de qualificação do trabalhador brasileiro são um óbvio e importante fator limitador do aumento da produtividade, mas não o único. Além do capital humano, também o capital físico, representado por máquinas, equipamentos, tecnologias e processos, desempenha papel decisivo na promoção da produtividade.

Ambos estão atrasados em relação às necessidades competitivas brasileiras. "Só 8% dos jovens brasileiros fazem formação técnica em engenharia, enquanto na Alemanha são 50%", lembra Rafael Lucchesi, diretor geral do Senai. "Mas também dificulta o fato de a idade média dos equipamentos instalados nas fábricas brasileiras ser, por exemplo, o dobro da americana".

Mesmo que o quadro fosse mais favorável nesses dois itens, faltariam outros elementos para impulsionar a produtividade. Condições de financiamento e, de um modo geral, o ambiente de negócios completam o conjunto de fatores que, quando propícios, favorecem elevações de produtividade, mas, no Brasil, atuam como barreiras.

Empreender e tocar negócios no Brasil é tarefa para gigantes. O emaranhado de leis e normas, que produz insegurança jurídica permanente, se une à burocracia e à exaustiva atividade de manter o pagamento de tributos em dia.

Tudo isso desestimula o investimento em geral e, especificamente, em inovação. Pesquisa publicada em 2018 pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) apontou que 75% das empresas consultadas – ou seja, três em cada quatro – apresentavam apenas graus básicos de digitalização. Empresas na fronteira tecnológica somavam apenas 1,6% da amostra.

O volume total de investimento em Pesquisa & Desenvolvimento (P&D), no Brasil, sempre foi muito baixo em comparação com outros países. Dados anteriores à grande crise iniciada em 2014 indicavam gastos em P&D em torno de US$ 30 bilhões por ano, equivalentes a 1,3% do PIB, dos quais nem 40% correspondiam à fatia do setor privado.

Esse montante colocava o país, em termos absolutos, na décimo lugar entre os que mais aplicavam em P&D. Em proporção do PIB, porém, o Brasil despencava para a 36ª posição. Como reflexo da crise econômica, os números de hoje, segundo especialistas, devem ser ainda mais modestos.

A perda de impulso no esforço de modernização e inovação, contudo, é anterior a esta última crise econômica e se mostrou presente pelo menos desde o início da década de 2000. O resultado é que, segundo publicação do Ipea sobre o mercado de trabalho, contrastando com a elevação da escolaridade dos trabalhadores, do aumento da formalização do trabalho e da renda, não houve, no período, geração significativa de empregos

Créditos:

José Paulo Kupfer - 14/08/2019 04h00

Fonte: UOL

Imprimir

III Seminário de Estudos Interdisciplinares

“A Escola Contemporânea: Desafios, Diálogos, Pluralidade e Direitos”

20 a 24 de maio de 2019

Campus da FFCL - Ituverava

banner 3 sei

VALOR DA INSCRIÇÃO

Aluno(a) da FFCL: R$ 25,00

Aluno(a) de outras Instituições: R$ 30,00

 

INCRIÇÃO ONLINE - CLIQUE AQUI

 

PROGRAMAÇÃO

 

2ª feira – 20 de maio de 2019

19h00 – Credenciamento

19h30 – Abertura Oficial

20h00 – Apresentação Cultural (Sarau Cultural e Teatro)

 

3ª feira – 21 de maio de 2019

19h00 – Apresentação de trabalhos em painel

20h00 – Mesa redonda: Resistência ao obscurantismo: a importância da formação humana nas escolas brasileiras

Profa. Dra. Fabiana Cláudia Viana Costa (Doutora em Linguística)

Profa. Dra. Michele Cristine da Cruz Costa (Doutora em Educação)

 

4ª feira – 22 de maio de 2019 - Oficinas

Oficina 1 –Bullying: uma forma violenta de intolerância

 

Professor responsável: Profa. Esp. Alessandra Pereira do Nascimento

Objetivo: Proporcionar aos participantes a aquisição de informações sobre as características do bullying e suas formas de ocorrência visando a elaboração de estratégias preventivas e/ou remediativas, bem como viabilizar informações pertinentes sobre o bullying e formas assertivas de enfrentamento do problema, objetivando a conscientização sobre o assunto e a promoção de relações mais saudáveis no contexto escolar.

 

Sala: 5

Oficina 2“Alfabetização e Letramento: saberes necessários à práxis”

Professor responsável:Profa. Ma. Maria do Carmo Rodrigues Barbosa

Objetivo: Promover a discussão e reflexão sobre o processo de alfabetização e letramento de modo a estabelecer formas para a prática exitosa de atividades vinculadas a temática proposta.A aprendizagem resultante dessa Oficina faz parte de uma estratégia conceituada, que objetiva à compreensão da diferenciação dos contextos abordados, a fim de que, os alunos saibam lidar com essas questões dentro do ambiente escolar e nas salas de aula.

 

Sala: 4

Oficina 3Etimologia e Significação: o uso do dicionário como ferramenta de auxílio na produção textual

Professor(es) responsável(is): Profa. Dra.Ana Maria Paulino Comparini e Profa. Dra. Lisângela Aparecida Guiraldelli

Objetivo: Mostrar a importância da gramática como um conjunto de informações que pode garantir boa parte do sucesso na produção textual e apresentar a Etimologia, disciplina que estuda a origem das palavras e auxilia na leitura, na escrita e na comunicação mais clara, simples e eficiente.

 

Sala: 6

 

Oficina 4 –Violência Sexual Infantil: a educação sexual como ferramenta de prevenção

 

Professor responsável:Profa. Dra. Fátima Aparecida Coelho Gonini

 

Objetivo: Promover a discussão com professores, alunos e demais profissionais da educação temas atinentes à violência sexual contra crianças, com vistas à educação sexual como ferramenta na prevenção dessa violência.

 

Sala: 7

 

5ª feira – 23 de maio de 2019 - Oficinas

 

Oficina 5Conceitos básicos para se trabalhar o quadro numérico na base decimal. (Matemática)

 

Professor responsável: Profa. Paula Cristina de Paula Cintra Castro

 

Objetivo: Aprender de forma lúdica e interativa o quadro numérico de 0 a 100, e também trabalhar diariamente com o calendário nunca dez, baseado no jogo nunca dez.

 

Sala: 4

 

Oficina 6Recursos Pedagógicos no ensino para criança com Dificuldades de Aprendizagem

Professor responsável: Profa. Gilvanete Maria José Soares Amorim

 

Objetivo: Apresentar a importância dos recursos como forma de estimular a aprendizagem. Promover o contato com os recursos e compartilhar experiências vividas. Refletir sobre o papel do professor como facilitador do ensino.

 

Sala: 6

 

Oficina 7 – Corpo em movimento na educação

 

Professor responsável: Prof. Esp. William Donizete

Objetivo: Oficina teórico/prática na perspectiva do corpo em movimento durante o processo pedagógico, discutindo as possibilidades e desafios de se ampliar as ferramentas e métodos de ensino.

 

Sala: 5

 

Oficina 8Libras: o falar das mãos

 

Professor responsável: Profa. Esp. Alessandra Pereira do Nascimento

 

Instrutor Surdo: Marcos Antônio Galdeano

 

Objetivo: Explicitar as peculiaridades da Libras e desfazer alguns mitos sobre esta forma de linguagem; difundir a cultura surda e suscitar o desejo de aprender a língua de sinais com acuidade.

 

Sala: 7

 

6ª feira – 24 de maio de 2019

19h30 – Conferência: Uma cidadania para cada tempo

Conferencistas: Profa. Dra. Sandra R. Molina (Doutora em História Social do Trabalho)


COMISSÃO ORGANIZADORA

Profa. Esp. Alessandra Pereira do Nascimento
Profa. Dra. Ana Maria Paulino Comparini
Profa. Dra. Eneida Nalini de Oliveira

Profa. Dra. Fátima Coelho Gonini
Profa. Ma. Kelly C.Pádua Bruzegueze Miguel
Profa. Dra. Lisângela Aparecida Guiraldelli
Profa. Dra. Lucimary Bernabé Pedrosa de Andrade

Profa. Dra. Márcia Pereira Cabral

Profa. Ma. Maria do Carmo Rodrigues Barbosa
Profa. Ma. Maria Sara Abdala Martins
Prof. Esp. Maximilian Augusto Pereira

Profa. Ma. Priscila Cristina Barbosa Fidelis

Prof. Me. Rodrigo Tavarayama
Profa. Dra. Sônia Jorge
Profa. Ma. Sueli Silva Gorricho Costa

Profa. Ma. Valéria Lice de Oliveira

 

COMISSÃO CIENTÍFICA

Profa. Dra. Fátima Aparecida Coelho Gonini
Profa. Ma. Kelly C. Pádua Bruzegueze Miguel
Profa. Ma. Priscila Cristina Barbosa Fidelis

Prof. Me. Rodrigo Tavarayama

 

Apoio:

Dr.ª Ana Paula Abdalla Franco Martins

Pediatra – UTI Neonatal

Fundação Educacional de Ituverava

 

Imprimir

Alunos de Administração e Ciências Contábeis Visita a Fábrica da Natura

banner visita natura 2019No dia 24/04/19 os alunos dos cursos de Administração e Ciências Contábeis da FFCL realizaram uma visita técnica ao maior centro de distribuição de cosméticos da América Latina a Natura NASP. Na visita os alunos conseguiram visualizar "in loco" os conceitos aprendidos em sala de aula: distribuição de produtos, logística e relacionamento com clientes. Os alunos também realizaram uma visita cultural ao Farol Santander, localizado no centro de São Paulo e onde são realizadas diversas exposições. O prédio dispõe de andares com a história do banco em São Paulo e também conta com um mirante com vista panorâmica da cidade. A visita foi organizada e acompanhada pela Profa. Lilian Ribeiro de Oliveira e pela aluna e funcionária Gabriela Aparecida Ferreira Barbosa do 7º semestre de administração.

IMG 9830

IMG 9840

IMG 9855

IMG 9861

IMG 9866

IMG 9870

IMG 9872

Veja Também

Prev Next